Dica de viagem – Shirakawa-Go e Hida Folk Village

Quem segue meu instagram, viu que eu estive no Japão mês passado e como se já não fosse óbvio, eu reitero que aquela ilha é com toda a certeza um dos países mas fascinantes que existem; sua cultura, costumes, religião, gastronomia, moda e educação, (sim! Eles são extremamente educados), provam o quanto aquele é um país imperdível para os viajantes de plantão.

Neste post eu contarei apenas sobre dois dos passeios mais incríveis que fiz por lá, dando foco em dicas vividas e que não encontrei nas minhas pesquisas antes de viajar.

Na internet, há inúmeros sites/blogs muito completos e com foco só neste assunto, que se prestam perfeitamente para pesquisas e planejamentos de viagens, eu mesma consulto muitos deles para planejar meu roteiro, mas nem todos os detalhes estão disponíveis e como no meu post de Versailles, aqui vão alguns:


Shirakawa-Go é uma aldeia localizada no distrito de Ōno na região de Gifu, que fica à 50 minutos (de ônibus ou carro) da cidade de Takayama. Esta vila em meio às montanhas é famosa por seu estilo de construção conhecido como gasshō-zukuri, onde casas de 3 andares são construídas sem um único prego, somente com encaixes de madeira e amarrações. Gassho-zukuri significa “construído como mãos em oração”, e se você reparar bem, os telhados íngremes das casas se parecem com mãos budistas em oração.

Hida Folk Village (ou Hida Minzoku Mura), é um vilarejo situado na cidade de Takayama, que hoje é um museu ao ar livre. As casas que lá estão tem cerca de 500 anos, elas seguem o mesmo estilo de construção e muitas delas são abertas para visitação. Elas estão repletas de artefatos da época, que contam a história da produção da seda, do modo de vida dos trabalhadores, artesãos e animais.

As duas citadas acima, são muito parecidas, com a diferença de que Shirakawa é bem maior, (é lotada de turistas), e ainda é uma vila ativa, viva, pessoas moram lá e por este motivo somente poucas casas são abertas para visitação. E Hida Folk Village é como escrevi, um museu, ninguém mais mora lá, mas as casas são preservadas e totalmente abertas para visitação.

Se você tem dias sobrando, sugiro que visite as duas vilas, mas se seu itinerário for curto, conheça então somente Shirakawa-Go.

Nota: Quem já leu ou assistiu Mushishi, lembrará de Ginko visitando as vilas montanhosas ♥

Takayama costuma ser a base de quem quer conhecer Shirakawa-Go, pois há linhas de trem ou vias fáceis de ônibus partindo das principais cidades do Japão, como; Tóquio, Kyoto, Osaka, Nagoia, Nagano e outras.

Mas para chegar na vila de Shirakawa não há linhas de trem, somente ônibus que saem das principais cidades vizinhas.


Shirakawa-Go

1: Como visitar?

Há a possibilidade de se hospedar na própria vila de Shirakawa, mas eu recomendo se hospedar em alguma cidade vizinha e fazer um bate e volta até lá.

Eu e meu marido, partimos de Takayama, (cidade onde nos hospedamos e sugiro ficar pelo menos 3 dias).

Partindo de onde você estiver, pegue um trem ou ônibus até a estação de Takayama. (Muito importante dizer que o transporte no Japão é o mais caro que já vi, principalmente os trens, eles vão muito rápido, (afinal são trens bala), mas custam o dobro do preço dos ônibus), quando chegar em Takayama, digira-se ao terminal de ônibus Takayama Nohi Bus Center, lá há máquinas de auto atendimento para você mesmo comprar seus bilhetes para Shirakawa e também guichês com atendentes.

Ahh, e ainda tem internet dentro do ônibus!

2: Como comprar o bilhete?

Dentro dos guichês terão folhetos como este abaixo, no folheto vem descrito todas as linhas que a empresa Nohi Bus atende, peça no guichê o bilhete de ida e volta para Shirakawa-Go. O sistema de reserva descrito no folheto, na verdade não funciona, então chegue no terminal antes das 8 horas da manhã para garantir seu lugar.

Passagem de ida e volta de Takayama para Shirakawa-Go: 4,420 ienes por pessoa, (preço em fevereiro de 2019).
Horários: Veja a foto do folheto.
Site oficial: Shirakawa-go
Endereço: Ogimachi, Shirakawa, Ono District, Gifu 501-5600, Japão

Com o bilhete em mãos, vá para a fila na plataforma 4, (confirme a plataforma com a atendente). É sério, chegue beeeeeem cedo, pois o ônibus fica cheio muito rápido.


3: (Isso é muito importante!) Quando subir no ônibus, você mostrará o seu passe para o motorista, ele vai destacar uma das vias e te devolverá a outra, não jogue fora, você irá precisar dela para voltar.

Ida = Takayama para Shirakawago. Volta = Shirakawago para Takayama.

O ônibus é bem comum, como um ônibus simples de viagem aqui do Brasil, porém as janelas são panorâmicas XD.

Agora é só curtir a viagem de 50 minutos até Shirakawa-Go.

Na volta preste atenção! O último ônibus sai de Shirakawa às 17:30h no inverno, sábados, domingos e feriados, e às 19:43 no verão e dias úteis, se você perder, ficará “preso” no vilarejo. Pra não correr este risco, pegue na volta o ônibus das 16:15h.


4: O que ver em Shirakawa-Go?

Assim que o ônibus estacionar,  (guarde o lugar na memória, pois na volta ele sairá do mesmo ponto), siga a rua juntamente com os outros turistas e se encaminhe para o mirante da vila.

Será uma subidinha de uns 10 minutos,

mas valerá o esforço.

A vista de lá de cima é essa.

Algumas das casas mais antigas do vilarejo são hoje museus e você pode comprar o ingresso logo na entrada de cada uma. Custam de 500 á 700 ienes que devem ser pagos em dinheiro. (Aliás, tudo na vila é pago em dinheiro, quase ninguém aceita cartão).

Dentro dos museus você aprende sobre o cultivo do arroz, sobre a produção da seda, sobre a construção das casas, sobre o trato dos animais e sobre a religião.

Se for no inverno e te oferecerem um chinelo, aceite! Dentro das casas é mais frio que fora, acredite.


Depois que sair do museu, siga pelas ruas e cruze a ponte acima do rio que divide o vilarejo.


Em seguida, entre em qualquer uma das lojinhas, compre docinhos, lembrancinhas ou se divirta apenas vendo e tentando decifrar as embalagens.

Amuleto Sarubobo e guloseimas Japonesas.

Quando cansar, coma em qualquer um dos restaurantes. Mas eu indico em especial o Irori – いろり, ele fica perto da parada de ônibus e serve culinária típica deliciosa.

Os pratos variam entre 800 à 3000 ienes.

5: Clima

Se você gosta do inverno, ficará encantado com o vilarejo todo branquinho. Eu adoro, por isso fiz questão de escolher um dia com previsão de neve. Então, lembre-se de ir preparado: Bota tratorada e impermeável, segunda pele por baixo da calça, blusa de lã, casaco corta vento, gorro, capuz e luvas. Não esqueça que lá é uma região montanhosa e o clima é o mesmo dos alpes da Europa. Nunca nesta vida pense em ir de tênis ou sandália no inverno!

Mas fica tranquilo que Shirakawa está aberto em todas as estações. Veja fotos no site oficial.


Agora que já conhece Shirakawa-Go, reserve um dia para conhecer Hida Folk Village.

1: Como visitar?

A vila de Hida, fica á 30 minutos de caminhada da estação de Takayama, ou á 15 minutos de ônibus da mesma estação. Eu escolhi fazer o trajeto a pé e adorei. O caminho até lá é super tranquilo, local e bonito.

Não há subidas muito íngremes, mas deve ser feito por quem gosta de andar.

E ainda há plaquinhas por todo o caminho indicando a direção.

2: Como comprar o bilhete?

Os bilhetes deverão ser comprados logo na entrada da vila e em dinheiro.

Entrada: 700 ienes por pessoa, (preço em fevereiro de 2019).
Horários: 8:30h às 17:00h
Site oficial: Hida No Sato
Endereço: 1-chōme-1-590 Kamiokamotomachi, Takayama, Gifu 506-0031, Japão


3: O que ver em Hida No Sato?

Passeie por todo o entorno do lago no centro da vila e entre em todas as casinhas que tiver vontade.

Elas ficam abertas para visitação e ao contrário de Shirakawa, você não precisará concorrer com uma infinidade de turistas.

Dentro das casas é contado como eram produzidos os tecidos, onde os animais ficavam, como a casa era aquecida, quais utensílios existiam, como plantavam e colhiam o arroz, como produziam seda, como construíam e muito mais.

Andar térreo, onde ficavam os animais, os quartos e a cozinha.

Vestimenta local e ferramentas.

Suba as escadas e encontre o último andar, onde criavam a larva da seda.

Além das casas e do lago, há altares, um grande sino, um templo e duas pedras “da força”.

Diz a tradição que a pessoa que conseguir levantar qualquer uma das pedras será considerada a mais forte da vila.

Eu tentei, mas lógico que não consegui,…rs, a mais leve pesa cerca de 75kg.

Mapa da vila.

De frente para o sino, faça uma reverência, bata o sino e faça um pedido enquanto durar o eco da badalada.

4: Ah! Não se esqueça de ir com uma bota fácil de tirar, pois cada vez que quiser entrar em algum lugar, terá que ir somente de meias.

Se estiver com frio, use aqueles “chinelinhos” ali da foto.

5: Dica importantíssima! Não se aventure pela floresta da vila e respeite toda e qualquer placa ou contenção de limites. Todas as regiões montanhosas do Japão são áreas de ursos, sim, você leu certo, ursos, e eu não estou falando dos fofinhos pandas, (veja aqui), então nunca se embrenhe na mata.

É sério, olhe a placa lá no fundo.

6: Se você quer conhecer um interior do Japão mais preservado e tradicional nos costumes, considere visitar Takayama e seus vilarejos. Esta parte da ilha é toda um outro mundo e não se comprara em nada com a movimentada Tóquio. Então aproveite para relaxar e desfrutar de dias tranquilos em uma cidade pacata e interiorana.

Todas as dicas e fotos: Carla Antoni

About Carla Antoni

Olá eu sou Carla Antoni. Formada em Design de Moda e amante da gastronomia; amo aproveitar meu tempo com receitas, moda, beleza, artesanatos e decorações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: